Esta Norma Europeia especifica os requisitos, métodos de ensaio, marcação, as informações fornecidas pelo fabricante e embalagem de equipamentos antiqueda do tipo guiado, incluindo um cabo de ancoragem rígido. Esta linha de ancoragem é geralmente ligada ou integrada em escadas ou degraus adequadamente fixos a estruturas adequadas. Os equipamentos antiqueda do tipo guiado, incluindo o cabo rígido de ancoragem em conformidade com esta Norma Europeia são componentes de um dos sistemas de antiqueda abrangidos pela EN 363:2008. Esta Norma Europeia aplica-se a linhas de ancoragem rígidas que se destinam a ser instaladas verticalmente e/ou com uma combinação de inclinação para a frente em ângulo e/ou para uma inclinação lateral em ângulo entre o verdadeiro vertical e vertical +15°. Aplicações multi-utilizador, ou seja, linhas de ancoragem rígidas que permitam que mais de um utilizador seja ligado a qualquer momento, não são abordadas neste documento.

Esta Norma Europeia especifica os requisitos, métodos de ensaio, marcação, as informações fornecidas pelo fabricante e embalagem de equipamentos antiqueda do tipo guiado incluindo um cabo flexível de ancoragem que pode ser preso a um ponto de ancoragem superior. Equipamentos antiqueda do tipo guiados, incluindo um cabo flexível de ancoragem em conformidade com esta norma europeia são elementos que constituem uma parte de um dos sistemas de antiqueda abrangidos pela EN 363:2008. Outros tipos de antiqueda estão especificados na EN 353-1:2004 ou EN 360:2002. Amortecedores de energia estão especificados na EN 355:2002.

Esta Norma Europeia especifica requisitos, métodos de ensaio, marcação e informações a fornecer pelo fabricante para dispositivos de descida, que incluem linhas de descida (adiante designado como linhas), destinados ao resgate e protecção contra quedas num sistema de salvamento, que é um sistema pessoal de proteção contra quedas. Esta Norma Europeia não especifica requisitos para os dispositivos de descida que são usados para descer em montanhismo, acesso por corda ou sistemas de posicionamento de trabalho.

NOTA: Um dispositivo de descida que permite ao utilizador salvar-se a si mesmo e que está de acordo com esta Norma Europeia é o equipamento de protecção individual (EPI).

Esta Norma Europeia especifica os requisitos, métodos de ensaio, marcação, as informações fornecidas pelo fabricante e embalagens para lingas. Lingas conformes com a presente Norma Europeia são utilizadas como elementos de ligação ou componentes em sistemas de antiqueda pessoal de protecção (isto é, sistemas de retenção, sistemas de posicionamento de trabalho, sistemas de acesso por cordas, sistemas de antiqueda e sistemas de resgate).

Esta Norma Europeia especifica os requisitos, métodos de ensaio, marcação, as informações fornecidas pelo fabricante e embalagens para amortecedores de energia. Amortecedores de energia em conformidade com a presente Norma são usados como elementos ou componentes, quer integrados em numa corda, uma linha de ancoragem ou um arnês de corpo inteiro ou em combinação com um deles. Combinações de um amortecedor de energia e uma corda são sub-sistemas que constituem um dos sistemas de antiqueda abrangidos pela EN 363:2008, quando combinado com um arnês de segurança especificados na norma EN 361:2002. Os equipamentos antiqueda são especificados na EN 353-1:2014, 353-2:2002 e EN 360:2002.

Esta Norma Europeia aplica-se aos cintos e cordas destinados a posicionamento no trabalho ou retenção. Especifica os requisitos, ensaios, marcação e informações fornecidas pelo fabricante.

Esta Norma Europeia especifica os requisitos, métodos de ensaio, marcação, informações fornecidas pelo fabricante e embalagens para dispositivos anti-queda do tipo retráctil. Os dispositivos anti-queda do tipo retráctil, em conformidade com esta Norma Europeia são elementos que constituem um sistema anti-queda abrangidos pela EN 363:2008, quando combinado com um arnês de corpo inteiro, especificado na EN 361:2002. Outros tipos de dispositivos anti-queda são especificados na EN 353-1:2014 e EN 353-2:2002. Amortecedores de energia são especificados na EN 355:2002.

Esta Norma Europeia especifica os requisitos, métodos de ensaio, marcação, informações fornecidas pelo fabricante e embalagens para arneses de corpo inteiro. Outros tipos de suporte do corpo, especificado em outras normas europeias, p. ex. EN 358:1999, EN 813:2008 ou EN 1497:2002, podem ser considerados arneses de corpo inteiro. Os sistemas anti-queda são especificados na EN 363:2008.

Esta Norma Europeia especifica os requisitos, métodos de ensaio, marcação e informações fornecidas pelo fabricante para conectores. Os conectores em conformidade com esta Norma Europeia são usados como elementos de ligação nos sistemas de anti-queda pessoais, ou seja, interrupção de quedas, trabalho de posicionamento, sistemas de acesso por corda, contenção e salvamento.

Esta Norma Europeia especifica que as características gerais e montagem de sistemas anti-queda pessoais. A Norma dá exemplos de tipos específicos de sistemas de proteção anti-queda pessoais e descreve como os componentes podem ser ligados entre si.

Esta Norma Europeia especifica os requisitos para o desempenho e associados a métodos de ensaio para dispositivos de ancoragem amovíveis para um único utilizador. Estes dispositivos de ancoragem incorporam pontos de fixação estacionários ou móveis que foram projectados para a fixação dos componentes de um sistema anti-queda pessoal em conformidade com EN 363:2008. Esta Norma Europeia dá também disposições relativas à sua marcação, instruções de utilização e orientação na instalação. Esta Norma Europeia não é aplicável para:
- pontos de ancoragem que permitam mais de um utilizador ao mesmo tempo;
- pontos de ancoragem utilizados em qualquer desporto ou atividade recreativa;
- equipamento projetado para estar em conformidade com EN 516 ou EN 517;
- elementos ou partes de estruturas que foram instalados para outra utilização que não seja a de pontos de ancoragem, por exemplo, traves mestras, vigas;
- pontos de ancoragem estruturais (ver 3.3).

Esta Norma Europeia especifica requisitos, ensaios, marcação e informações a ser fornecidas pelo fabricante para arneses de posição sentado para serem utilizados na contenção, de posicionamento de trabalho e de acesso por corda, onde é necessário um ponto de ligação baixo. Os arneses de posição sentado não são adequados para serem utilizados para sistemas anti-queda.

Esta Norma Europeia especifica requisitos, métodos de ensaio, marcação e informação fornecida pelo fabricante para dispositivos de elevação de resgate. Os dispositivos de elevação de resgate em conformidade com esta norma europeia são utilizados como elementos ou sub-sistemas de sistemas de resgate.

NOTA: Dispositivos de elevação de resgate de acordo com esta norma europeia pode ser combinados com outros elementos ou sub-sistemas, por exemplo, dispositivos de descida para resgate (EN 341:2011), dispositivos antiqueda do tipo retrátil (EN 360:2002).

Esta Norma Europeia especifica requisitos, métodos de ensaio, marcação e informação fornecida pelo fabricante para arneses de resgate. Arneses de resgate em conformidade com esta norma europeia são usados como componentes de sistemas de resgate, que são sistemas de proteção contra quedas pessoais. Os arneses de resgate não se destinam a ser usados como dispositivos de retenção do corpo em sistemas de antiqueda.

Esta Norma Europeia especifica requisitos, métodos de ensaio, marcação e informações fornecidas pelo fabricante para lingas de resgate. As lingas de resgate conformes com a presente Norma Europeia são usadas como componentes de sistemas de resgate.

Esta Norma Europeia aplica-se a cordas semi estáticas têxteis de construção tipo kernmantel de 8,5 mm a 16 mm de diâmetro, para uso por pessoas em acessos por corda, incluindo todos os tipos de trabalho de posicionamento e retenção; de emergência e em espeleologia. Existem dois tipos de corda kernmantel semi estática sendo definidas por: A e B.
A Norma Europeia especifica requisitos, testes, marcação e informação a ser fornecida pelo fabricante, incluindo instruções para a utilização de tais cordas kernmantel semi estáticas.

NOTA 1: É possível que cordas não conformes com a norma europeia também possam ser adequadas para as atividades descritas acima.

NOTA 2: Os cabos utilizados para proteção durante qualquer atividade de escalada livre em acesso por cordas, resgate ou espeleologia devem ter em conta outros padrões, nomeadamente EN 892. As cordas de montanhismo dinâmicas também podem ser utilizados para proteção durante acessos por corda e posicionamento de trabalho.

Esta Norma Europeia aplica-se a dispositivos de regulação por cordas destinados ao uso em sistemas de acesso por cordas. Especifica os requisitos, métodos de ensaio, marcação e informação fornecida pelo fabricante. Dispositivos de regulação por corda conformes com a presente Norma Europeia podem ser projetados para o uso de uma pessoa, ou em caso de resgate, para duas pessoas simultaneamente. Os dispositivos de ajuste por corda como especificado não são adequados para uso em um sistema de prevenção de quedas.

O calçado de segurança que esteja de acordo com a norma europeia EN ISO 20345:2011 está equipado com uma biqueira de segurança que protege contra os choques equivalentes a 200 joules (massa com cerca de 20 Kg) caindo de 1 metro e esmagamentos de 15kN (cerca de 1500Kg).

Na última revisão foram incluídos os seguintes requisitos

- O calçado deve ser avaliado para a ergonomia.
- Os componentes de couro devem ser testados para a utilização de Crómio VI.
- Se o calçado tiver outras palmilhas, estas deverão ser testadas em vez de ou além da palmilha de segurança.
- Todos os componentes superiores, incluindo os materiais do rebordo superior, estão sujeitos a testes.
- Existem também algumas pequenas alterações em alguns dos métodos de ensaio - por exemplo, nos testes de biqueira, impacto e resistência à compressão, as amostras são submetidas a uma preparação um pouco diferente, antes do ensaio.

Veja mais requisitos no PDF em baixo.

Caso não consiga visualizar o documento, clique aqui.

 

Norma em tudo igual à norma EN ISO 20345:2011 mas com a excepção do calçado não ter biqueira e palmilha de segurança.
A marcação também é igual à norma EN ISO 20345:2011 mas a letra "S" deve ser substituída pela letra "O".

A Norma Europeia EN ISO 20349 foi introduzida em Dezembro de 2010. Esta nova norma de "Equipamento de Protecção Individual - Calçado de protecção contra riscos térmicos e salpicos de metal fundido como encontrado em fundições e soldadura"expande a EN ISO 20345, que detalha os requisitos básicos para calçado de segurança que se destina ao uso em fundições, soldadura e indústrias similares.
Em adição a outras especificações, um novo procedimento de teste que avalia a resistência aos efeitos do metal fundido, foi introduzida para calçado que se destina ao uso em fundições. O calçado é marcado com “Al” se tiverem passado o teste com alumínio fundido e / ou com “Fe” se tiverem passado o teste com o ferro fundido. Todas as outras marcações da EN ISO 20345 permanecem inalteradas.

Esta norma é destinada ao vestuário de protecção contra o frio até -5ºC, podendo este ser utilizado, tanto em ambientes industriais como ao ar livre.

As principais características, tendo em vista o isolamento térmico, que se devem ter em consideração são:

Y1 - Isolamento térmico eficaz resultante (m2K/W);
Y2 - Isolamento térmico eficaz (m2K/W) (opcional);
Y3 - A permeabilidade ao ar / respirabilidade: de 1 a 3;
Y4 - Resistência à penetração de água / impermeabilidade: de 1 a 2 (opcional);
X - Indica que o teste não foi realizado.

Pictograma

en342 Y
Y
Y
Y

Esta norma torna possível avaliar o nível de desempenho de vestuário de protecção concebido para a proteção contra a chuva, a humidade e neve.

Pictograma:

343
X - Resistência à penetração de água - De 1 a 3
Y - Resistência ao vapor de água     De 1 a 3

Norma aplicada a vestuário contra cortes provocados por moto-serras.

IMPORTANTE: NÃO EXISTE NENHUM VESTUÁRIO QUE PODE ASSEGURAR A 100%, A PROTECÇÃO CONTRA ESTE TIPO DE CORTE.

 

Pictograma Classes
   

moto-serra

 0   16 m/s 
 1  20 m/s
 2  24 m/s
 3  28 m/s

 

EN 381-1:1993 - Vestuário de protecção para utilizadores de moto-serras manuais - Parte 1: dispositivo de ensaio para o ensaio de resistência ao corte por moto-serra
Esta primeira parte da presente Norma Europeia especifica o dispositivo de ensaio que devem ser utilizados para avaliar a resistência do equipamento de protecção pessoal ao corte por moto-serras manuais. Esta parte também descreve o procedimento de calibração.

EN 381-2:1995 - Vestuário de protecção para utilizadores de moto-serras manuais - Parte 2: Métodos de ensaio para protectores de pernas
Esta parte da Norma Europeia especifica os métodos de ensaio que devem ser utilizados para avaliar a resistência de protectores de pernas ao corte por moto-serras manuais e outras propriedades

EN 381-3:1996 - Vestuário de protecção para utilizadores de moto-serras manuais - Parte 3: Métodos de ensaio para calçado
Esta parte da Norma Europeia especifica métodos de ensaio que devem ser utilizados para avaliar a resistência do calçado ao corte por moto-serras manuais. Métodos de ensaio para outras formas de protecção dos pés e das pernas, por exemplo, polainas contra moto-serras manuais serão cobertos por outras normas. Esta norma apenas abrange o calçado com proteção integral.

EN 381-4:1999 - Vestuário de protecção para utilizadores de moto-serras manuais - Parte 4: Métodos de ensaio para as luvas de protecção para moto-serra
Esta parte da Norma Europeia especifica os espécimes de teste, pré-tratamento e testes de luvas que são destinadas a fornecer protecção contra cortes por moto-serras. O método de medição da cobertura de protecção, o aparelho e o método de ensaio para avaliar a resistência ao corte e o teste de desempenho prático para medir o fator aderência descritos na norma EN 381-7 são especificados.

EN 381-5:1995 - Vestuário de protecção para utilizadores de moto-serras manuais - Parte 5: Requisitos para protectores de pernas
Esta parte da Norma Europeia define o design e especifica os requisitos para protectores de pernas que oferecem protecção contra o corte de uma moto-serra incluindo os requisitos de identificação, marcação e informações para o utilizador.

EN 381-7:1999 - Vestuário de protecção para utilizadores de moto-serras manuais - Parte 7: Requisitos para luvas de protecção para moto-serra
Esta parte da Norma Europeia especifica os requisitos para luvas de resistência ao corte por moto-serra quando avaliada pelo método de ensaio descrito na norma EN 381-4. Os requisitos também são dados para a marcação e para a prestação de informações que devem ser fornecidas pelo fabricante incluindo crirérios para a selecção de luvas apropriadas e instruções de utilização.

EN 381-8:1997 - Vestuário de protecção para utilizadores de moto-serras manuais - Parte 8: Métodos de ensaio para polainas de protecção para moto-serra
Esta parte da Norma Europeia especifica os métodos de ensaio que devem ser utilizados para avaliar a resistência das polainas ao corte por moto-serras manuais. Um método de ensaio para avaliar a força das correias das polainas (que passam por baixo do pé) também está incluído. Esta Norma Europeia é aplicável às polainas utilizadas juntamente com o calçado de segurança de acordo com a norma EN ISO 20345:2011 com biqueira de protecção, porque as palainas oferecem apenas uma proteção parcial contra a corrente de corte da moto-serra. As polainas de acordo com esta Norma Europeia não são destinadas à utilização em situações em que existe um risco significativo de queda do utilizador como arvorismo ou em florestas. Os requisitos associados a métodos de ensaio na presente Norma Europeia são indicados na norma EN 381-9.

EN 381-9:1997 - Vestuário de protecção para utilizadores de moto-serras manuais - Parte 9: Requisitos para polainas de protecção para moto-serra
Esta parte da Norma Europeia especifica os requisitos que devem ser utilizados para avaliar a resistência das polainas ao corte por moto-serras manuais e outras propriedades. Um requisito para a força das correias das polainas (que passam por baixo do pé) também está incluído. Esta Norma Europeia é aplicável às polainas utilizadas juntamente com o calçado de segurança de acordo com a norma EN ISO 20345:2011 com biqueira de protecção, porque as palainas oferecem apenas uma proteção parcial contra a corrente de corte da moto-serra. As polainas de acordo com esta Norma Europeia não são destinadas à utilização em situações em que existe um risco significativo de queda do utilizador como arvorismo ou em florestas. Os métodos de ensaio associado com os requisitos desta Norma Europeia são indicados na norma EN 381-8.

EN 381-10:2002 - Vestuário de protecção para utilizadores de moto-serras manuais - Parte 10: Método de ensaio para as protecções da parte superior do corpo
Esta parte da Norma Europeia, parte 10, especifica a amostragem e pré-tratamento das protecções da parte superior do corpo contra o corte por moto-serras, o procedimento de medição aplicável à cobertura de protecção, os aparelhos e métodos de ensaio para avaliar a sua resistência ao corte e a prática do teste de performance para avaliar propriedades ergonómicas em relação à parte 11 da presente Norma Europeia.

EN 381-11:2002 - Vestuário de protecção para utilizadores de moto-serras manuais - Parte 11: Requisitos para protectores da parte superior do corpo
Esta parte da Norma Europeia, parte 11, especifica os requisitos que se aplicam ao avaliar a proteção oferecida pelas protecções da parte superior do corpo contra o corte por moto-serras nomeadamente através dos métodos de ensaio descritos na parte 10. Os requisitos relativos à ergonomia Propriedades, identificação, marcação e informação fornecida pelo fabricante incluindo os critérios de selecção e as instruções de utilização, também são especificadas.

Esta norma torna possível avaliar se o vestuário de protecção em causa se encontra certificado como anti-estático, de modo a evitar faíscas, se
cargas eletrostáticas estão presentes, que possam causar explosões e/ou incêndios.

Este vestuário anti-estático foi desenvolvido e é compatível para utilização em ambiente de trabalho ATEX (atmosfera explosiva), onde o risco de explosão é possível.

O clima frio é um ambiente em geral caracterizado por uma possível combinação de condições de humidade e de vento e uma temperatura de -5 ° C e mais. Esta norma define os requisitos de desempenho itens vestuário simples para a proteção do corpo contra esses climas.

Os desempenhos da EN 14058:2004 são distribuídos entre os quatro níveis de requisitos seguintes:
• Resistência térmica: classe 1 a 3, dependendo da resistência térmica na m²K/W
• Permeabilidade ao ar: classe 1 a 3, dependendo da difusão de ar em mm/s (opcional)
• A resistência à penetração de água (opcional): classe 1 ou 2.
• O isolamento térmico (opcional)

Esta norma torna possível avaliar o nível de desempenho de vestuário de protecção concebido para proteger o utilizador durante processos ou técnicas relacionadas com a soldadura.

O vestuário certificado com a EN ISO 11611:2007 e desenvolvido para a utilização num ambiente de trabalho onde o utilizador está sujeito a um risco de pulverização de metal, de um breve contacto com uma chama, calor radiante ou um arco elétrico (soldadura ou outras actividades conexas).

Este vestuário minimiza a possibilidade de um choque elétrico através do contato breve e acidental com condutores eléctricos em carga.

As performances da EN ISO 11611:2007 estão divididas em duas classes:
Quanto maior o índice numérico, maior será o desempenho de proteção.

Classe 1: Obrigatoriedade de performances mínimas de protecção durante um breve contacto com uma chama, calor radiante ou um arco elétrico.
Classe 2: Requisitos para performances mais elevadas para proteção durante um breve contacto com uma chama, calor radiante ou um arco elétrico.

A norma especifica dois métodos de ensaio para determinar a inflamabilidade do vestuário:

A1: O vestuário é compatível com as performances necessárias para propagação limitada de chama em caso de incêndio na superfície
A2: O vestuário é compatível com o desempenho necessário em caso de incêndio nas áreas circundantes.

A norma EN ISO 11612:2008 refere-se a todo o vestuário de protecção como, camisas, blusões, calças, etc., incluindo também polainitos e capuzes. Ficam excluídos as protecções das mãos (luvas), pés (calçado) e protecções da cabeça (capacete/bonés).

O vestuário de protecção contra calor e/ou chama abrangido pela norma EN ISO 11612:2008, deve deve superar o requisito de propagação limitada de chama e pelo menos mais um requisito de transmissão térmica: Protecção contra calor convectivo, calor radiante, calor por contacto, salpicos de ferro ou de alumínio fundido; alcançando como mínimo o nível de prestação 1.
Veja no PDF em baixo os requisitos da norma:

Os desempenhos da EN ISO 13034:2005 estão divididos entre os diferentes tipos da seguinte forma:

EN 943:2002 (TIPO 1)
- Vestuário de protecção contra produtos químicos à prova de gás;

EN 943:2022 (TIPO 2)
- Vestuário de protecção contra agentes químicos, não estanque aos gases;

EN 14605:2005 (TIPO 3)
- Vestuário de proteção contra produtos químicos líquidos;

EN 14605:2005+A1:2009 (TIPO 4)
- Vestuário de proteção contra produtos aerossóis;

EN 13982-1:2004+A1:2010 (TIPO 5)
- Vestuário de protecção contra partículas sólidas;

EN 13034:2005+A1:2009 (TIPO 6)
- Vestuário de proteção contra produtos químicos de pulverização limitada.

Esta norma define os requisitos a que deve obedecer o vestuário de protecção, nomeadamente:

Ergonomia

Desenho - Inocuidade - Conforto

Envelhecimento

Solidez das cores - Limpeza - Encolhimento

Tamanhos

Altura e peito - Altura e cintura

Marcação

Identificação - Tamanho - CE - Pictograma - Instruções de lavagem

Informação do fabricante

Dados completos - Designação do produto

Pictograma - Instruções de uso – Manutenção

A norma EN ISO 20471:2013 especifica as exigências do vestuário capaz de sinalizar visualmente a presença do utilizador.
Especifica igualmente as cores, bem como as áreas mínimas retroreflectoras e a disposição dos materiais retroreflectores.

Definições:
1) Vestuário de alta visibilidade: O vestuário de sinalização é concebido para proporcionar visibilidade em qualquer momento.
2) Material fluorescente: Material que emite radiação óptica em comprimentos de onda maiores do que os absorvidos.
3) Material retroreflector: Material que é retroreflector mas que não é concebido para satisfazer as exigências da norma para material de fundo (base).
4) Material de fundo (base): Material fluorescente colorido concebido para ter alta visibilidade, mas que não é concebido com as exigências desta norma para material retroreflector.

Esta norma torna possível avaliar o nível de desempenho do vestuário de protecção contra os perigos ligados a um arco elétrico.

O utilizador equipado com vestuário certificado com a IEC 61482-2:2009 encontra-se protegido caso surja um arco eléctrico devido a um disturbio numa instalação eléctrica (por exemplo, um curto-circuito).

Um arco elétrico é equivalente a um raio que explode numa instalação eléctrica que pode causar queimaduras graves, cegueira ou até mesmo a morte.

Os desempenhos da norma IEC 61482-2:2009 estão divididos entre as duas classes seguintes:

Classe 1: desempenho de proteção eficaz contra um arco elétrico de 4KA;
Classe 2: desempenho de proteção eficaz contra um arco elétrico de 7KA.

Esta Norma Europeia especifica os requisitos mínimos para o vestuário de protecção contra sólidos perigosos, líquidos e produtos químicos gasosos, incluindo líquidos e aerossóis sólidos - Parte 1: Requisitos de desempenho para Tipo 1 fatos de protecção química (à prova de gás)

Esta Norma Europeia especifica os requisitos mínimos para o vestuário de protecção contra sólidos perigosos, líquidos e produtos químicos gasosos, incluindo líquidos e aerossóis sólidos. Protecção limitada a gases (não estanque a gases).

Esta Norma Europeia especifica os requisitos mínimos para o vestuário de protecção contra líquidos químicos, incluindo líquidos e aerossóis sólidos.

Esta Norma Europeia especifica os requisitos mínimos para o vestuário de protecção estanque a aerossóis.

Esta Norma Europeia especifica os requisitos mínimos para o vestuário de protecção contra partículas sólidas.

Esta Norma Europeia especifica os requisitos mínimos para o vestuário de protecção limitada contra a pulverização de produtos químicos.

Esta norma torna possível avaliar o nível mínimo de desempenho de vestuário de protecção concebido para proteção contra uma possível explosão de pequenas quantidades de spray ou um volume limitado (pulverizado por acidente) de produtos químicos menos perigosos, para os quais uma barreira total de permeabilidade não é requeridos.

Os desempenhos do EN ISO 13034:2005 são divididos entre os diferentes tipos da seguinte forma:

Tipo 6:
Vestuário standard tipo 6 protege, pelo menos, tronco e membros do utilizador;

TIPO PB 6:
Vestuário standard tipo PB 6 protege apenas partes específicas do corpo do utilizador.

Esta norma especifica os requisitos e os métodos de teste para materiais utilizados no fabrico de vestuário e luvas de protecção com propriedades de dissipação electrostática para evitar descargas de electricidade estática.
De acordo com a norma EN 420:2003, é estabelecido que as propriedades electrostáticas serão testadas segundo os métodos de teste descritos na norma EN 1149.

Pictograma
estatica

 

 A norma EN 1149-1:2006 define o teste para medir a resistividade/resistência de superfície (Ω) = resistência em ohms ao longo da superfície do material, entre dois eléctrodos específicos (em repouso na amostra de teste) e um potencial de 100 ± 5 V

• A norma EN 1149-2:1997 define o teste para medir a resistência vertical (Ω) = A resistência em ohms através de um material, entre dois eléctrodos colocados em superfícies opostas da amostra de teste e um potencial de 100 ± 5 V

A norma EN 1149-3:2004 define o teste para medir o tempo de semi-declínio T50 (s) = o tempo que demora um material a atingir um declínio de 50% de uma carga induzida no material através de um eléctrodo.

  A norma EN 1149-5:2008 define os critérios para reivindicar propriedades anti-estáticas, ou seja:
             → Resistência de superfície < 2,5 x 109 Ω (ou resistividade de superfície < 5 x 1010 Ω) ou
             Tempo de declínio de carga T50 < 4 s.
              Para resistência vertical (Ω), não existem quaisquer critérios definidos estabelecidos.

COLOCAR PDF

Norma que regula os aparelhos de protecção respiratória.
– Aparelhos filtrantes de ventilação, assistida incorporando um capacete ou capuz – Requisitos, ensaios, marcação.

Norma que regula os aparelhos de protecção respiratória.
– Aparelhos filtrantes de ventilação assistida, incorporando máscaras completas, semi-máscaras ou máscaras de contacto – Requisitos, ensaios, marcação.

Norma que regula os requisitos mínimos para a utilização das máscaras como protecção respiratória.
Existem 3 classes de máscaras que, apesar de oferecerem o mesmo tipo de protecção, podem apresentar diferenças em função do tipo de utilização.

Classe 1 - Máscara para utilização ligeira
Classe 2 - Máscara para utilização geral
Classe 3 - Máscara para utilização específica

Norma que regula os aparelhos de protecção respiratória.
- Aparelho de protecção respiratória isolante autónomo de circuito aberto de ar comprimido, com máscara completa - Requisitos, ensaios e marcação.

Esta norma especifica os requisitos mínimos a cumprir pelas semi-máscaras para poderem utilizar-se como parte de equipamentos de protecção respiratória, excepto os equipamentos destinados a evacuação.

Esta norma específica os requisitos mínimos a cumprir pelos filtros contra gases e filtros combinados a serem usados como componentes de equipamento de protecção respiratória, excepto os equipamentos de resgate e máscaras autofiltrantes, ficam excluídos também desta norma, os filtro "AX" para compostos orgânicos com baixo ponto de ebulição, os filtros "SX" para uso contra compostos específicos e os filtros para monóxido de carbono(CO).

Tipos de filtros:

Tipo Cor Protecção
A Castanho Alguns gases e vapores orgânicos com ponto de ebulição a cima dos 65ºC
B Cinzento Alguns gases e vapores inorgânicos, excluindo monóxido de carbono
E Amarelo Dióxido de enxofre, outros gases e vapores ácidos
K Verde Amoníaco e derivados orgânicos do amoníaco
Nota: Podem existir combinações entre os diferentes tipos de filtros.


 

Classes de filtros:

1 Filtros de baixa capacidade
2 Filtros de média capacidade
3 Filtros de elevada capacidade



 

Norma que regula os aparelhos de protecção respiratória.
– Aparelhos respiratórios de ar comprimido através de linha de ar com débito contínuo – Requisitos, ensaios, marcação.

Esta norma europeia específica os requisitos mínimos a cumprir pelas máscaras autofiltrantes de protecção contra partículas, exceptuando as máscaras abrangidas pelas normas EN 136 e EN 140.

Especificações da norma:

 

Esta norma específica os requisitos mínimos a cumprir pelas semi-máscaras com válvulas e filtros anti-gás ou combinados em termos de resistência às manipulações, ao desgaste, aso choques, à chama e à resistência respiratória.

Esta Norma Europeia especifica a construção, design, requisitos de desempenho e métodos de ensaio para máscaras médicas destinadas a limitar a transmissão de agentes infecciosos do pessoal médico aos pacientes durante procedimentos cirúrgicos e outros ambientes médicos com requisitos semelhantes. Uma máscara facial médica com uma barreira microbiana apropriada também pode ser eficaz na redução da emissão de agentes infecciosos a partir do nariz e da boca de um portador assintomático ou um paciente com os sintomas clínicos. Esta Norma Europeia não é aplicável às máscaras destinados exclusivamente para a proteção pessoal dos funcionários.

Nota 1: Normas de máscaras para uso como equipamento de proteção pessoal respiratório estão disponíveis.

NOTA 2: O Anexo A fornece informações para os usuários de máscaras médicas.

Norma que se aplica a todos os equipamentos protectores da visão, (óculos, óculos panorâmicos, óculos graduados e viseiras) utilizados contra os diversos perigos susceptíveis de prejudicar a mesma ou de a alterar. Ficam excluídos os protectores de raios X, de emissões laser e de raios I.V..

Especificações da norma:

Esta norma europeia especifica os números de escala e requisitos de transmitância para filtros destinados a proteger os operadores que realizam trabalho envolvendo soldadura, soldobrsagem, goivagem a arco e corte do jato de plasma. Os outros requisitos aplicáveis para esses tipos de filtros são dados na EN 166:2001. Orientação sobre a seleção e uso desses filtros são indicadas no anexo A. As especificações para filtros com transmitância luminosa e soldagem filtros comutáveis com dupla transmitância luminosa de soldagem são apresentados na EN 379:2003.

Esta Norma Europeia especifica os números de escala e requisitos de transmitância para filtros de proteção contra a radiação ultravioleta. Os outros requisitos aplicáveis para esses tipos de filtros são dados na EN 166:2001. Orientação sobre a seleção e uso desses filtros são dadas no Anexo A.

NOTA: Os filtros de proteção especificados nesta norma não são adequados para a observação directa ou indirecta de um arco elétrico. Para este efeito, deve ser utilizado um filtro de soldadura apropriado para a fonte de luz a ser observada. Um tal filtro não teria um número de escala inferior a 6.

Esta Norma Europeia especifica os números de escala e requisitos de transmitância para filtros de proteção contra a radiação infravermelha. Os outros requisitos aplicáveis para esses tipos de filtros e de suportes são dados na EN 166:2001. As orientações para a seleção e uso destes filtros são dados no anexo B.

NOTA: Os filtros de proteção especificadas na presente norma, não são adequados para a observação directa ou indirecta de um arco eléctrico. Para este efeito, deve ser utilizado um filtro adequado para a fonte luz a ser observada pelo utilizador.

Esta norma europeia especifica os números de escala, transmitâncias e requisitos relacionados para filtros solares para uso industrial. Outros requisitos válidos para estes tipos de filtros estão especificados na EN 166.

Esta Norma Europeia especifica os requisitos de segurança e métodos de ensaio para equipamentos de protecção individual utilizados para proteger os olhos e rosto do operador contra a radiação prejudicial óptica e outros riscos ou perigos específicos em soldura, corte ou operações similares. Esta norma especifica a protecção, incluindo aspectos ergonómicos contra riscos ou perigos de natureza radioativa, inflamável, mecânica e elétrica. O equipamento é projetado para incorporar filtros de proteção, com ou sem tampa oculares, como recomendado pelo fabricante, de acordo com EN 166:2001 e cumprir com a norma EN 169:2001 ou EN 379:2003. Capuzes, viseiras de inspector, equipamentos de proteção laser e proteção de soldadura para aplicações especiais, não são cobertos neste padrão. Esta norma define os termos utilizados e especifica os requisitos para materiais, concepção e fabrico.

Esta Norma Europeia aplica-se aos filtros dos protectores oculares usados para a proteção contra a exposição à radiação laser.

Esta norma europeia especifica os requisitos para filtros de soldadura automática que muda a sua transmitância luminosa para um valor inferior pré determinado quando um arco de soldadura é inflamado (referido como filtros de soldadura com números da escala comutáveis). Também especifica requisitos para filtros de soldadura automática que muda a sua transmitância luminosa para um valor inferior, onde o valor mais baixo de transmitância luminosa é definido automaticamente na dependência da iluminação gerada pelo arco de soldadura (referido como filtros de soldadura com definição do número de escala automática) . Os requisitos desta norma são aplicáveis se tal filtro for utilizado para a visualização contínua do processo de soldadura, (incluindo gás e corte), e se for para ser utilizado apenas durante o período em que o arco é inflamado. Estes filtros são utilizados nos protectores oculares dos soldadores ou fixos ao equipamento. Se ao filtros forem utilizados nos protectores oculares dos soldadores, outros requisitos são aplicáveis para esses tipos de filtros e são dados na EN 166:2001. Os requisitos para os suportes a que estão destinados a ser montados são dados na EN 175:1997. As orientações para a seleção e uso desses filtros é dado no anexo A. As especificações para filtros de soldadura sem transmitância luminosa comutável são dados na EN 169:2002.

Esta Norma Europeia especifica materiais, design, requisitos de desempenho, métodos de ensaio e requisitos de marcação para óculos e viseiras de rede. Esta norma não se aplica aos protetores de olhos e da face para os riscos de salpicos de líquidos (incluindo metal fundido), partículas sólidas quentes, riscos eléctricos, radiação ultra-violeta e infravermelhos.

Esta norma aplica-se a todos os óculos de sol de poder plano e clip-on para uso geral destinada à protecção contra a radiação solar. Esta norma não se aplica a: a) óculos de protecção contra a radiação de fontes de luz artificial, como aqueles usados em solários; b) óculos de esqui ou outros tipos de protecção para os olhos usado em desportos; c) os óculos de sol que foram medicamente prescritos para atenuar a radiação solar; d) os produtos destinados a observação directa do sol, como para visualização eclipses solares.

Esta norma aplica-se aos capacetes de protecção para a industria.

São definidos os testes a efectuar, podendo ser alguns deles facultativos:
- Absorção de choque
- Resistência à penetração

- Inflamabilidade
-Arnês
-Resistência a baixa temperatura (-20ºC ou -30ºC ) (facultativo)
-Resistência a alta temperatura (+150ºC) (facultativo)
-Isolamento eléctrico (440 VAC)(facultativo)
-Deformação lateral (facultativo)
- Resistência a salpicos de metal fundido (facultativo)

Marcação obrigatória:
-Identificação do fabricante
-Ano e trimestre de fabrico
-Tamanho
-Numero da norma: EN 397
-Folheto com informações suplementares

Marcação facultativa (caso tenha sido efectuado o teste respectivo):
--20ºC ou -30ºC
-+150ºC
-440 VAC
-LD (Deformação lateral)
-MM (Metal fundido)

Norma destinada a bonés de protecção que protegem contra embates em objectos imóveis e rígidos.
Desta norma estão excluídos os capacetes utilizados para protecção contra a queda, projecção de objectos e cargas suspensas ou em movimento.

Esta norma faz referência às exigências e testes a que se submetem os auriculares de protecção auditiva bem como a sua marcação.

Os principais requisitos analisados são:

• Pressão das conchas <=4500Pa
• Resistência em caso de queda
• Resistência a baixas temperaturas (facultativa)
• Inflamabilidade
• Atenuação miníma

A avaliação da exposição ao ruído tem por base a média de exposição diária (8 horas) de um trabalhador ao ruído e é expressa em decibéis dB(A).

Caso os níveis no posto de trabalho excedam os 85 dB(A) ou exista um valor de pico de 140 dB(A), é obrigatório o uso dos protectores adequados, bem como a sinalização prevista na Lei.

Tabela de atenuação acústica:

SNR H M L
Redução de Ruído Simplificada
(Simplified Noise Reduction)
Frequências elevadas
(High) - Bombas hidráulicas, motores diesel, ferramentas de impacto, etc
Frequências médias
(Medium) - Bombas hidráulicas, motores diesel, ferramentas de impacto, etc
Frequências baixas
(Low) - Escavadoras, fornos de combustão, fornos de fundições, etc

 

Exemplo: SNR 36 = H=34; M=34; L=31

Esta norma especifica as exigências e testes a que se submetem os tampões de protecção auditiva bem como a sua marcação. Aplica-se aos tampões do tipo descartável, reutilizável e com bandolete (arco de ligação semi-rígido).


- Os principais requisitos analisados são:
• Tamanho
• Inflamabilidade
• Atenuação mínima.

- A marcação deve conter:
• Marca CE (no dispositivo ou na embalagem)
• Identificação do fabricante
• Referência à norma EN352-2:93
• Designação do modelo
• Se é descartável ou reutilizável
• Instruções de utilização e tamanho

A avaliação da exposição ao ruído tem por base a média de exposição diária (8 horas) de um trabalhador ao ruído e é expressa em decibéis dB(A).

Caso os níveis no posto de trabalho excedam os 85 dB(A) ou exista um valor de pico de 140 dB(A), é obrigatório o uso dos protectores adequados, bem como a sinalização prevista na Lei.

Tabela de atenuação acústica:

SNR H M L
Redução de Ruído Simplificada
(Simplified Noise Reduction)
Frequências elevadas
(High) - Bombas hidráulicas, motores diesel, ferramentas de impacto, etc
Frequências médias
(Medium) - Bombas hidráulicas, motores diesel, ferramentas de impacto, etc
Frequências baixas
(Low) - Escavadoras, fornos de combustão, fornos de fundições, etc

 

Exemplo: SNR 36 = H=34; M=34; L=31

Esta norma específica as exigências e testes a que se submetem os auriculares de protecção auditiva para aplicar em capacetes bem como a sua marcação. Os principais requisitos analisados são:

• Pressão das conchas <=4500Pa
• Resistência em caso de queda
• Resistência a baixas temperaturas (facultativa)
• Inflamabilidade
• Atenuação mínima

A avaliação da exposição ao ruído tem por base a média de exposição diária (8 horas) de um trabalhador ao ruído e é expressa em decibéis dB(A).

Caso os níveis no posto de trabalho excedam os 85 dB(A) ou exista um valor de pico de 140 dB(A), é obrigatório o uso dos protectores adequados, bem como a sinalização prevista na Lei.

Tabela de atenuação acústica:

SNR H M L
Redução de Ruído Simplificada
(Simplified Noise Reduction)
Frequências elevadas
(High) - Bombas hidráulicas, motores diesel, ferramentas de impacto, etc
Frequências médias
(Medium) - Bombas hidráulicas, motores diesel, ferramentas de impacto, etc
Frequências baixas
(Low) - Escavadoras, fornos de combustão, fornos de fundições, etc

 

Exemplo: SNR 36 = H=34; M=34; L=31

Esta parte da Norma diz respeito aos protectores auriculares com entretenimento de áudio. Especifica os requisitos de construção, de design, de desempenho, métodos de ensaio, requisitos de marcação e informações aos utilizadores relativas à incorporação da instalação de entretenimento de áudio. Os requisitos desta norma destinam-se a ter em conta a interacção ergonómica entre o utilizador, o dispositivo e, sempre que possível, o ambiente de trabalho em que o dispositivo é susceptível de ser utilizado (ver anexo ZA da norma e EN 458 [2] ).

A avaliação da exposição ao ruído tem por base a média de exposição diária (8 horas) de um trabalhador ao ruído e é expressa em decibéis dB(A).

Caso os níveis no posto de trabalho excedam os 85 dB(A) ou exista um valor de pico de 140 dB(A), é obrigatório o uso dos protectores adequados, bem como a sinalização prevista na Lei.

Tabela de atenuação acústica:

SNR H M L
Redução de Ruído Simplificada
(Simplified Noise Reduction)
Frequências elevadas
(High) - Bombas hidráulicas, motores diesel, ferramentas de impacto, etc
Frequências médias
(Medium) - Bombas hidráulicas, motores diesel, ferramentas de impacto, etc

Frequências baixas
(Low) - Escavadoras, fornos de combustão, fornos de fundições, etc


Exemplo: SNR 36 = H=34; M=34; L=31

As luvas de protecção abrangidas por esta norma, são submetidas aos testes de:

•  Penetração (deslocação de um produto químico e/ou microrganismo através de materiais porosos, costuras, furos ou outras imperfeições no tecido de uma luva de protecção a nível não molecular).

 • Permeação (As películas de borracha e plástico contidas nas luvas nem sempre actuam como barreiras contra líquidos. Por vezes, actuam como esponjas que absorvem os líquidos e os retêm contra a pele. Por este motivo, é necessário medir os períodos de permeação ou o período de tempo que o líquido perigoso demora a entrar em contacto com a pele).

Veja os requisitos desta norma no PDF em baixo.

 

Esta norma define os requisitos a que deve obedecer uma luva de protecção contra riscos mecânicos, nomeadamente:

- Exigências gerais:
A luva deve obedecer à norma EN 420

- Riscos mecânicos e níveis de protecção:

Pictograma Níveis de protecção 1 2 3 4 5 Unidades

mecanica

ABCD

A Resistência à abrasão 100 500 2000 8000 - Ciclos
B Resistência aos cortes por lâminas 1,2 2,5 5 10 20 Índice
C Resistência ao desgaste (Rasgo) 10 25 50 75 - Newton
D Resistência à perfuração 20 60 100 150 - Newton

Em opção:

Electricidade estática Corte por impacto
elec_estat impact

Esta norma define os requisitos a que deve obedecer uma luva de protecção contra riscos térmicos, nomeadamente:

- Exigências gerais:
A luva deve obedecer à norma EN 420

- Resistência mecânica:
Segundo a EN 388 deve ter pelo menos:
Nível 1 - Resistência à abrasão
Nível 1 - Resistência ao rasgo

Níveis de protecção:

Pictograma Níveis de protecção 1 2 3 4 Unidades
calor ABCDEF A Combustão (período durante o qual a luva continua em combustão após a extinção da chama) >120 <120 <25 <5 Segundos
B Calor de contacto (temperatura até à qual o utilizador não sente dor)(Contacto com o objecto durante 15 segundos) 100 250 350 500 ºC
C Calor convectivo (período durante o qual a luva adia a transmissão do calor) 4 7 10 18 Segundos
D Calor radiante (tempo necessário para a luva atingir uma determinada temperatura) 5 30 90 150 Segundos
E Salpicos metal fundido (nº de gotas necessárias para a luva atingir uma determinada temperatura) 5 15 25 35 Gotas
F Projecções metal fundido (quantidade de projecções necessárias para deteriorar a luva) 30 60 120 200 Gramas

Esta norma define os requisitos gerais a que deve obedecer uma luva de protecção, nomeadamente:

Desenho: Deve-se adaptar às condições de utilização.
Construção: Deve ter costuras sólidas.
Inocuidade: As costuras e outros componentes não devem afectar a saúde do utilizador, nomeadamente o pH e a concentração de crómio.
Limpeza: Caso se aplique, não deve afectar os tamanhos.
Marcação: Identificação - tamanhos - CE - Pictograma aplicável - Instruções de lavagem.

Pictogramas aplicáveis:

Riscos mecânicos Corte por impacto Electricidade estática Riscos químicos Riscos químicos (AQL≤4)

mecanica

impacto

estatica

quimica

quimica_baixa_resist

Microrganismos Protecção contra frio Protecção contra calor/chama Contaminação radioactiva Radiação ionizante

microorgan

frio

calor

radio

ioniz

Norma relativa a luvas utilizadas para a protecção contra os riscos de radiação ionizante e contaminação por radioactividade.

Estas luvas devem conter alguma quantidade de chumbo para que a protecção contra a radiação seja eficaz e devem também ser impermeáveis para protecção o contacto directo com substâncias radioactivas.

Pictogramas

radio

Para proteger contra a contaminação radioactiva, a luva tem de ser estanque à permeação de líquidos e precisa de passar no teste de penetração definido na norma europeia 374.
Para luvas utilizadas em recintos fechados, a luva deve, além disso, ser aprovada num teste específico de fuga por pressão de ar.
Os materiais podem ser modelados através do seu comportamento às fissuras por ozono. Este teste é opcional e pode ser utilizado como auxiliar para a selecção.

ioniz

Para proteger contra a radiação de ionização, a luva tem de conter uma determinada quantidade de chumbo ou de um metal equivalente, designada como equivalência de chumbo. Esta Equivalência de Chumbo tem de estar marcada em todas as luvas.

Resistência mecânica:
Segundo a EN 388 deve ter pelo menos:
Nível 1 - Resistência à abrasão.
Nível 1 - Resistência ao rasgo.

Pictograma Níveis de protecção 0 1 2 3 4

frio

ABC

A Frio por convecção Isolamento térmico ITR em m².ºC/W I<0,10 0,10<I<0,15 0,15<I<0,22 0,22<I<0,30 0,30<I
B Frio por contacto Resistência térmica R em m².ºC/W R<0,025 0,025<R<0,050 0,050<R<0,100 0,100<R<0,150 0,150<R
C Impermeabilidade Reprovado Aprovado - - -

Esta norma especifica os requisitos e os métodos de teste para materiais utilizados no fabrico de vestuário e luvas de protecção com propriedades de dissipação electrostática para evitar descargas de electricidade estática.
De acordo com a norma EN 420:2003, é estabelecido que as propriedades electrostáticas serão testadas segundo os métodos de teste descritos na norma EN 1149.

Pictograma
estatica

 

 A norma EN 1149-1:2006 define o teste para medir a resistividade/resistência de superfície (Ω) = resistência em ohms ao longo da superfície do material, entre dois eléctrodos específicos (em repouso na amostra de teste) e um potencial de 100 ± 5 V

• A norma EN 1149-2:1997 define o teste para medir a resistência vertical (Ω) = A resistência em ohms através de um material, entre dois eléctrodos colocados em superfícies opostas da amostra de teste e um potencial de 100 ± 5 V

A norma EN 1149-3:2004 define o teste para medir o tempo de semi-declínio T50 (s) = o tempo que demora um material a atingir um declínio de 50% de uma carga induzida no material através de um eléctrodo.

  A norma EN 1149-5:2008 define os critérios para reivindicar propriedades anti-estáticas, ou seja:
             → Resistência de superfície < 2,5 x 109 Ω (ou resistividade de superfície < 5 x 1010 Ω) ou
             Tempo de declínio de carga T50 < 4 s.
              Para resistência vertical (Ω), não existem quaisquer critérios definidos estabelecidos.

Norma que abrange as luvas de soldador, soldadura manual, corte e técnicas conexas.

Este tipo de luvas, estão classificadas da seguinte forma:

A – todos os outros procedimentos.
B – quando é necessária uma grande destreza.

Requisitos (níveis EN) Tipo A Tipo B (elevada destreza, TIG, soldadura)
Abrasão 2 1
Cortes 1 1
Rasgões 2 1
Furos 2 1
Comportamento de combustão 3 2
Calor de contacto 1 1
Calor de convecção 2 -
Pequenos salpicos 3 2
Destreza 1 4